[Review] Penny Dreadful – 3 x01 – The Day Tennyson Died

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

“Dê-me o seu sangue. Meu nome é Drácula.”

Penny Dreadfull retornou e com ela, Vanessa Ives, interpretada pela maravilhosa Eva Green. A temporada passada acabou com a imagem de Vanessa na janela dizendo: “Então, caminhemos sozinhos”. Após o Esquadrão Contra Criaturas Demoníacas, como eu gosto de chamar, ser dissolvido e cada um seguir o seu caminho.

Vanessa surge na casa em que vivia com Sir. Malcolm, mas com uma nova decoração bem ao estilo dos filmes de terror, escuridão, cortinas e janelas fechadas, poeira, teias de aranhas, sujeira, insetos habitando o lugar e Vanessa entregue à solidão, deprimida, despenteada, roupas rôtas, pálida como se não visse a luz do sol há um bom tempo, um olhar sem vida em seu rosto e sentada no chão sujo comendo com as mãos um pão sem nenhum traço de civilidade. Então, ela recebe a visita de Ferdinand Lyle, que preocupado a aconselha e implora para que ela procure uma terapeuta não muito convencional.

Ethan Chandler, o Lobão da Vanessa, está de volta aos Estados Unidos em um trem escoltado por policiais, seguido de perto pela bruxinha vadia Hecate, mas acaba sendo resgatado por uns cowboys do mal, que matam quem encontram pela frente e têm como objetivo levar Ethan até o seu pai.

Na África em Zanzibar, Sir Malcolm após sepultar o corpo de Sembene, o mordomo tatuado faz tudo e que deixará saudades, escreve para Vanessa relatando a sua decepção com a África que ele encontrou. Ele é salvo por um índio que aprecia escalpos e o recruta para ajudar Ethan a quem diz ser um dos pais e Sir Malcom o outro.

Victor Frankenstein recebe a visita de um antigo amigo, o Dr. Jekyll, aquele de “O Médico e o Monstro”. Victor que aparece fraco e drogado conta a seu amigo as suas experiências e desventuras em superar e criar monstros, então, pede ajuda para matar Lilly, o seu amor e mais perfeito fracasso. Jekyll diz que pode controlar e fazer com que Lilly se submeta a ele.

Imagem: Penny Dreadful
Imagem: Penny Dreadful

Caliban, com certeza a melhor criação de Frankenstein, tem uma recordação de sua antiga vida e descobre que teve mulher e filho, então, deixa o seu isolamento e parte em busca de algo novo ao perceber que ainda há partes humanas enterradas em seu subconsciente.

Vanessa vai à consulta com a Dra. Seward, a terapeuta nada convencional acaba descobrindo ser uma descendente de uma importante personagem de sua vida. Dra. Seward pede que Vanessa faça algo inusitado e depois conte para ela. Quando Vanessa sai do consultório ela decide visitar o museu de história natural, onde conhece o enigmático Dr. Alexander Sweet.

Ela retorna a sua casa e resolve fazer uma faxina, abrindo janelas, tirando o pó, lavando e escrevendo para Sir. Malcolm contando que talvez tenha vivido tempo demais com segredos, que não estava feliz ali, submersa em algo como a sua própria tristeza, sem notícias de Ethan. Ela até poderia rezar por ele, mas abandonou a fé e a fé a abandonou. Pede que ele não tema por ela, os velhos monstros se foram, as velhas maldições caíram, mas ela ainda permanece.

No final o momento que me deu medo e provocou um grande fascínio, Drácula, o maior vampiro da literatura se juntou a nossa história e está interessadíssimo em nossa diva Vanessa.

Estava com saudades de Penny Dreadful, adoro esse ar gótico, os personagens complexos e a forma poética como são retratados. Quero ver o Esquadrão Contra Criaturas Demoníacas refeito, quero Vanessa e seu Lobão juntos, quero Drácula muito presente destruindo e seduzindo. Senti falta de Dorian Gray e da sua busca pelo eterno. Penny Dreadful voltou com tudo, da melhor forma possível e prometendo muitas surpresas.

PD¹ – Momento de emoção quando Vanessa olha com nostalgia e tristeza para o lobo e os escorpiões.

PD²Alfred Tennyson, o poeta citado no episódio fez muito sucesso e quando faleceu em outubro de 1892 deixou toda a Inglaterra de luto recitando as suas obras como a nossa querida Vanessa: 

Batam,  estrelas felizes junto à coisas inferiores. Batam junto ao meu coração. Mais abençoado do que posso dizer. Abençoado, porém influenciado por um sofrimento que parece se desviar, mas assim não deve permanecer. Deixe tudo ficar bem… Ficar bem.

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Educadora, apaixonada por livros, séries e filmes. Gostaria muito de encontrar um portal e assim poder viajar no tempo por diversos lugares e épocas. Como ainda não achei viajo através das histórias dos vários personagens que encontro nesse universo maravilhoso e mágico de versos, rimas e letras.

Você também pode gostar