[Review] Jessica Jones – 1×06 – AKA You’re a Winner

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

O 6º episódio de Marvel’s Jessica Jones trouxe uma história muito forte, confirmou os pontos positivos que já temos e afirmou novos. Com uma narrativa consistente a trama do passado de Jessica com Kilgrave torna-se mais envolvente a cada episódio. E este em especial só confirmou isso, trazendo um prelúdio para a real introdução de Luke Cage no Universo Marvel criado em parceria com a Netflix.

De início já podemos ter uma nova amostra de Kilgrave, mas veja bem, não é dos poderes dele que estou falando e sim da insanidade mental do vilão, o que o torna ardiloso, sem piedade, cômico e acima de tudo dedicado a sua causa de vida quase sem sentido (aliás, o nivel de obsessão dela por Jessica ultrapassa qualquer realidade depois de vê-lo comprando a casa de infância dela, algo grande vem por aí). A cena é sensacional, digna de Kilgrave, que pelo pouco que já mostrou é um dos melhores vilões, se não o melhor, de séries de super-herói ou de adaptações de histórias em quadrinhos para a TV.

A relação de Jessica e Malcolm continua se desenvolvendo, ela sabe que de certa forma ainda depende do que o ex ou quase ex-viciado sabe, mas mesmo assim ela não se faz refém das poucas informações que ele consegue lembrar. Fora isso a vida de investigadora continua e a Alias Investigation recebe um novo cliente, Luke Cage. O affair de Jessica Jones ( caso, lance, ficante, seu encontro casual noturno ou seja lá o que for) aparece todo arrebentado, como se fosse realmente possível.  Enfim, Luke traz um novo caso para Jones, mas o caso em si é resolvido sem tantos problema e nos mostra algumas boas cenas de ação.

Sempre que Luke Cage aparece a história dele junto com a sua personalidade e ações tornam-se um fator muito interessante. Cage vive a sombra do seu poder, sempre com receio de mostrar sua força e tudo que pode fazer para não arrumar problemas, o que é muito compreensível. Mas mesmo assim não deixa ele menos interessante.

Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

O plot que realmente fez sentido foi o passado de Jessica Jones envolver a morte da esposa de Luke Cage, que ao invés de ter morrido em um acidente a moça acabou sendo assassinada por Jessica Jones, pela vontade de Kilgrave. Simples assim, não acham? É, simples mesmo, mas até o episódio mostrar isso a suspeita existiu desde o início. Era meio óbvio que Jones teria alguma ligação com isso, primeiro porque não teria motivo de Luke Cage ir procurar ela com um caso que pudesse revelar a verdade sobre a morte da esposa (teoricamente) e desde o começo Jessica agia tão temerosamente em relação isso; e segundo que a próprio insegurança dela combinado aos seus flashbacks já diziam muito do que poderia acontecer.

Mais uma vez Jessica Jones provou que é uma ótima série, com ótimos personagens e uma protagonista sensacional. As atuações de Krysten Ritter melhoram a cada episódio e o tom que a Netflix consegue dar para a série é muito parecido com o da própria HQ. As diferenças ficam por conta da personalidade de Jessica e a ligação da história com o universo Marvel, já que na HQ Os Vingadores sempre acham algum jeito de aparecer.

Nota do autor para o episódio:

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
, , ,

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid’s Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você Também Pode Curtir