Grimm | Pontos positivos e negativos da 5ª temporada

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

A 5ª temporada de Grimm acabou, deixando evidente o crescimento da mitologia e dos personagens secundários ,que ganharam mais destaque. De longe foi a temporada mais sólida e mais bem narrada da série. Iniciando minhas atividades como colaborador do Matinê Cine&TV, acompanhe comigo os pontos positivos e negativos desta temporada, que com certeza teve acertos, desde a resolução de pontas soltas à um melhor desenvolvimento de personagens, mas também apresentou erros e tropeços.

Pontos positivos…
Imagem: ScienceFiction
Imagem: ScienceFiction

O embate entre a Black Claw e a Adrian’s Wall foi a trama central da temporada, e confesso que fiquei bem satisfeito com o desenrolar da história, pois mostraram de uma maneira simples a explicação da existência de cada organização… e o motivo de travarem uma luta. Não tivemos muitas enrolações em cima da trama como aconteceu nas outras temporadas. Grimm finalmente respondeu uma das questões mais primordiais da série: as 7 chaves, que pertenciam aos 7 ancestrais dos Grimms, juntas revelavam um mapa que levava para algum tesouro desconhecido. Estava parecendo que os roteiristas iriam continuar enrolando e só lá para o último episódio de toda a série iriam responder esse grande mistério, mas fomos surpreendidos com o 100º episódio da série (Map of the Seven Knights), onde Nick e Monroe vão atrás do tesouro perdido e finalmente colocam um fim nesta história, nos trazendo, talvez, o mais esperado episódio e um dos melhores da série.

A temporada começa mostrando a morte de Juliette, que continuava sendo uma personagem chata, mesmo depois de ter se tornado uma vilã. Quando todos deram graças a Deus pela morte da personagem eis que somos apresentados à uma versão 2.0, que recebeu o nome de Eve. Ela era tudo aquilo que faltava na sua versão anterior para ganhar o carisma do público, é uma personagem forte e imponente. Foi perceptível que a atriz melhorou muito com esse papel, talvez tenha encontrado sua zona de conforto. Com isso, Grimm conseguiu transformar o impossível, converteu um dos pontos negativos da série ao longo dos 4 últimos anos em uma coisa sensacional.

Outro ponto positivo desta temporada foi o fanservice, os roteiristas escutaram os fãs e trouxeram Diana (filha de Adalind com Renard) de volta para a trama, com um retorno triunfal mostrou ela com todo seu poder e perigo mesmo ainda sendo uma criança. Com destaque para a cena tensa em que toda feliz matou a amante do seu pai na frente da mãe, parecia até que eu estava assistindo a uma cena de filme de terror.

[Seja um colaborador e venha escrever no Matinê Cine&TV]

Falando sobre os personagens secundários tivemos o crescimento de vários deles. Renard ganhou um plot decente e acabou se transformando em um dos vilões da temporada, foi lindo ver a briga dele com Nick no último episódio, e perceber o quanto ele é facilmente manipulável com o poder e a ganância. Wu ganhou mais importância no time Grimm quando se tornou um “quase” Wesen, agora com poderes provenientes de uma anomalia espero que ele seja mais útil nas lutas corpo-a-corpo, deixando de ser apenas um personagem que vive nas sombras.

Pontos negativos…
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

Por mais que tenha sido a melhor temporada de Grimm, houve sim alguns itens que deixaram a desejar e outros que fizeram falta. Alguns nos deixaram esperando por mais emoções e surpresas, mas no fim se tornaram decepções pelo caminho. Nas duas últimas temporadas a série nos proporcionou episódios especiais de Natal, com wesens/criaturas que apareciam durante essa época do ano para tocar o terror em Portland, porém os produtores acabaram optando por não ter esse tipo de episódio nesta temporada. Confesso que fiquei decepcionado porquê eram episódios inteligentes e que prendiam a atenção .por trazer elementos tão reais presentes na cultura do Natal, como o Papai Noel e os duendes.

Desde quando Meisner surgiu na terceira temporada ajudando Adalind à escapar da realeza era perceptível que existia uma relação forte entre os dois personagens e que poderia ser trabalhada posteriormente, caso ele voltasse para trama. Nessa temporada o personagem deu as caras e no 7º episódio (Eve of Destruction) tivemos a curiosa cena dele com um olhar apaixonado, pensando em Adalind, a partir daí se criou toda uma expectativa que o casal poderia acontecer. Infelizmente nada aconteceu, faltou explicação para a cena, não trabalharam mais a relação dos dois, e o que restou foi o sentimento de ter sido trouxa.

Enquanto alguns personagens cresceram, Hank continuou no mesmo patamar, sem muito carisma, aquele típico personagem que se não aparecesse em uns 3 episódios seguidos eu não iria sentir falta. Já Trubel poderia ter tido um aproveitamento bem melhor. Estava mais distante de Nick e deveria ter participado da busca ao tesouro das chaves, por ela ser uma Grimm, afinal, isso também é parte da história dela.

É perceptível que Grimm cresceu a cada temporada que passou, vamos torcer para manter ou melhorar mais ainda o ritmo e desenvolvimento. Rumores apontam que a próxima temporada será a última, se isso se concretizar espero que deem um final decente e sem pontas soltas. E você, o que achou da 5ª temporada de Grimm? Deixe sua opinião nos comentários .

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

21 anos, estudante de Química do Petróleo, viciado em séries. minhas preferidas são Fringe e Hannibal, mas sou fanático por séries baseadas em quadrinhos como The Flash, Arrow, Gotham, Supergirl, Agents Of Shield e Demolidor.

Você também pode gostar