Crítica | Dois Caras Legais

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Divulgação/ Diamond Films
Imagem: Divulgação/ Diamond Films

Uma das melhores comédias do ano, protagonizada por Ryan Goslin e Russell Crowe. Assim foi vendido o marketing do filme, mas isso é só o começo de uma das comédias onde o politicamente incorreto é o mais certo a se fazer. Dirigido e roteirizado por Shane Black (da franquia Máquina Mortífera), traz de volta a relevância da dupla policial dos anos 70 para os cinemas.

A história é muito envolvente, o início é despretensioso e intrigante, pois sabemos o que irá acontecer, mas quer saber “como”. De cara já temos três caminhos na história, dois são carregados pela dupla, que não começa unida, e o terceiro é a razão pela qual os dois trabalharão juntos. Não se trata de dois policias, um certinho e outro mais engraçado, trata-se de dois detetives, quase particulares, que se encontram por acaso e se juntam por ironia do destino.

O roteiro é realmente muito bom, a história se desenvolve toda certinha e tem algumas reviravoltas muito boas e outras bem previsíveis. Arrisco a dizer que o desenvolvimento do final poderia ser bem melhor, menos óbvio e mais “diferentão“. O ritmo de investigação e de ideias que os personagens tem, combinando com o ótimo alívio cômico, é muito bacana. Confesso que algumas piadas são forçadas, outras entram no time errado, mas grande parte consegue ser correta e bem encaixada.

Imagem: Divulgação/ Diamond Films
Imagem: Divulgação/ Diamond Films

O filme me lembra bastante de Starsk & Hutch, a diferença é que Dois Caras Legais é mais filme, é realmente melhor, tem um elenco indiscutivelmente superior. Ryan Goslin e Russell Crowe tem uma química impressionante, que para mim é um fator muito importante quando se trabalha em dupla. O contraste que um tem para com o outro durante o filme e a inversão da personalidade em alguns momentos é sensacional. Nessa relação da dupla me lembrei um pouco de Pulp Fiction, que tem um formato completamente diferente, ainda mais por ser dos anos 90, mas alguns elementos de composição lembram, sim, um pouco do filme de Tarantino.

Mais um ponto a se ressaltar é a trilha sonora. As música escolhidas por John Ottman são muito boas, a maioria é bem conhecida, e elas traduzem muito bem o momento do filme. Seja uma cena de ação, uma mais engraçada, ou mais séria, a trilha sempre entra como um ótimo acompanhamento.

Atuações memoráveis, tanto da dupla principal como da jovem Angourie Rice (que estará no novo filme do Homem-Aranha) que está ótima no filme, tendo cenas bem interessantes que foram importantes para o desenrolar do plot central. Essa jovem atriz australiana ainda irá aparecer muito nos cinemas, se continuar fazendo trabalhos como este, será uma grande atriz.

Foi muito divertido assistir Dois Caras Legais e sua comédia politicamente incorreta, onde por pura ironia se discutia o que era errado ou certo de se falar, refletindo sobre um filme experimental ou um filme pornô. A primeira comédia de Russell Crowe abre um bom leque para futuros filmes, já que o final da história tem uma bela deixa para a continuação.

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV, estudante de Jornalismo, leitor, cinéfilo e seriador. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek e Star Wars. Na TV The Walking Dead, Game of Thrones, Shameless, Jessica Jones são alguns dos seus favoritos.

Você também pode gostar