Crítica | Scream – 2×10 – The Vanishing

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

Um episódio simplesmente sensacional de Scream, não há o que reclamar de The Vanishing, apenas tenho muito o que elogiar. Ainda estou de boca aberta com a qualidade do episódio, um roteiro desenvolvido a ferro, bem moldado, mostrou um bom avanço no plot da temporada e deixou dúvidas interessantes sobre o assassino para os dois episódios finais.

Por que os roteiristas demoraram tanto tempo para fazer um episódio ótimo como este? Não é pedir de mais, mas a temporada não chegou nem aos pés de The Vanishing, teve muitas oscilações, e não estou falando isso em relação a um episódio e outro, me refiro que as nuances aconteceram dentro dos próprios “capítulos”. Foi difícil ver uma constância nessa temporada, o plot demorou para ser desenvolvido, a maioria dos personagens foram enjoativos, mas nos últimos dois episódio houve um crescimento enorme, e sinceramente eu queria um avanço pra ontem na série, só não imaginava que ele seria tão… “violento“.

A construção do episódio foi realmente sensacional, foi o suspense dramático mais bem feito na série. A forma como as cenas foram gravadas, aproveitando perfeitamente o enquadramento do cenário e aquele close no rosto durante dos diálogos, usando ângulos diferentes, foram maravilhosos. Essa mesma construção de cena casou perfeitamente com a montagem (edição) do episódio, que soube aproveitar cada segundo dos seus blocos, os takes e cortes ficaram realmente perfeitos. E como se não bastasse, a trilha sonora também foi maravilhosa em The Vanishing, fiquei espantado com tanta qualidade e cuidado que tiveram para enaltecer o drama do episódio.

Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

Estou chocado com o que assisti até agora, positivamente surpreso com tanta qualidade, com tantos elementos interessantes na composição e com um conceito certeiro para esse episódio. Foi o que Scream estava precisando, algo que não fosse apenas bom, mas que encantasse e enchesse os olhos. É claro que nem tudo foi tão perfeito assim, pois ficaram de mais no drama ou na intriga entre Audrey e Emma, que em nenhum momento foram capazes de deixar suas tretas de lado para ir direto ao ponto. Fato é que a pirraça já poderia ter sido resolvida, poderia sobrar uma cara feia aqui e ali, mas só em série de TV para uma mentira estar a frente de assassinatos. Pelo menos a morte da Zoe serviu para as mãos se segurarem novamente.

Falando em Zoe, foi uma surpresa ver a morte dela no episódio. Confesso que nas cenas da floresta, onde os níveis de tensão e preocupação foram lá em cima por causa do Noah, tive um receio da sua morte, mas devido aquela facada bem fake (falsa) do Brandonface, ficou evidente que o ex-virgem não morreria. Tanto que ele só voltou a sangrar de verdade dentro do carro, e seguiu o episódio bem de “boas na lagoa“. Só para não fazer do episódio perfeito, eles precisavam ter alguns errinhos de continuidade, mas como estou com a lua boa, não vou nem ligar porque realmente foi um episódio ótimo, daqueles que eu queria muito ver faz tempo.

O bom é que a história voltou a ficar interessante de novo, com essa adição “tretal” do Miguel Acosta e Maggie Duval. Sabe porque isso é bom? Simples, na primeira temporada nós sabíamos que a história não tinha se iniciado por causa da Emma, e sim por erros do passado, entre outros acontecimentos, e tendo esse resgate do passado novamente presente no plot mostra uma segurança na série. Novamente Scream achou o seu caminho, demorou para voltar aos trilhos, mas se a temporada não foi boa, pelo menos o final será digno.

Imagem: Banco de Séries
Imagem: Banco de Séries

Nesse episódio foi muito bom ver dois pontos, que para mim são muito importantes: primeiro o respeito com a obra original no joguete com os personagens e a pressão psicológica exercida pelo tal Ghostface da série; e segundo, mesmo que haja esse respeito, Scream the TV Series precisava ter uma personalidade própria, que mesmo sendo baseada em um clássico do terror, pudesse mostrar ao público que inspiração e cópia são palavras de significados bem diferentes. Fazia um bom tempo que não sentíamos esse gosto de personalidade na série. (Uma alfinetada aos fãs, Brooke é a favorita da galera, mas confesso que um dos motivos do episódio ter funcionado tão bem foi a sua ausência, pois a inserção do seu plot paralelo ao arco central da temporada estava atrapalhando o desenvolvimento da história. No momento em que Scream decidiu dedicar-se exclusivamente a um único plot, o resultado é essa maravilha de episódio.)

Faltam apenas dois episódios para o fim da temporada, e até o momento três questões precisam ser respondidas, quem é o assassino? Qual a relação com passado com o presente? E por fim, mas não menos importante, Scream será cancelada ou renovada? Até o momento a MTV não se pronunciou, mas vou reforçar o que já tinha falado, se a MTV cancelar a Netflix salva, a audiência na TV pode ter caído, mas é vantajoso para o streaming continuar a série.

E você, o que achou do episódio? Quais as suas teorias? Deixe sua opinião nos comentários.

Ghost¹: Só para não estragar a crítica, devido a qualidade do episódio ter sido tão boa. Mas não precisava o Eli aparecer no final do episódio, se eu não tivesse gostado tanto de The Vanishing eu diria que essa pequena aparição teria estragado o episódio.

Nota do autor para o episódio:
Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
, , ,

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid’s Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você Também Pode Curtir