Netflix

Além de já ter a série 3% (que ainda não estreou) como primeira produção original brasileira, a Netflix acaba de anunciar o seu primeiro longa-metragem brasileiro, O Matador, dirigido por Marcelo Galvão. O filme estará disponível em 190 países, e as filmagens estão começando hoje (05/08).

O Matador é uma história de faroeste, ambientada entre as décadas de 1910 e 1940, e no elenco veremos Diogo Morgado, Marat Descartes, Nill Marcondes, Deto Montenegro, Maria de Medeiros e Etienne Chicot, entre outros nomes.

Cabeleira (Diogo Morgado) é um matador muito temido do estado de Pernambuco, e foi criado por um cangaceiro local chamado Sete Orelhas (Deto Montenegro), que o encontrou (Cabeleira) abandonado ainda quando era bebê. Agora que já é adulto, e depois de crescer isolado e longe da civilização, Cabeleira vai para a cidade à procura de Sete Orelhas, que está desaparecido. E ao chegar no local, o protagonista se depara com uma cidade totalmente sem lei, que é governada pelo tirano Monsieur Blanchard (Etienne Chicot), que empregava Sete Orelhas como seu matador.

Nós continuamos investindo em talento local e esse filme é a nossa mais nova adição ao diverso conteúdo original filmado no Brasil”, afirma Ted Sarandos, Chief Content Officer da Netflix. “Como cineasta, essa é uma oportunidade única; a Netflix me deu uma liberdade criativa sem precedentes, além de uma plataforma global que vai permitir que a minha história seja contada para pessoas ao redor do mundo ao mesmo tempo”, diz Marcelo Galvão.

Além dos nomes já sitados, O Matador ainda tem no seu elenco Mel Lisboa, Daniela Galli, Thogun, Igor Cotrim, Thaís Cabral e o norte-americano Will Roberts. O Matador ainda não tem data de estreia definida, mas assim que saírem novas informações sobre o primeiro longa original brasileiro da Netflix, divulgaremos aqui no Matinê Cine&TV.

COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 4º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.