Crítica | Scream – 2×12 – When a Stranger Calls [Season Finale]

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Reprodução/ Banco de Séries
Imagem: Reprodução/ Banco de Séries

Para quem esperava um episódio sensacional, ou ainda melhor, só posso dizer que a season finale foi extremamente de acordo com o que vimos durante a temporada de Scream: bons momentos, perdidos em um mar de maus conceitos. A segunda temporada do drama teen da MTV decepcionou, foi muito abaixo do esperado. Para quem já trocou de roteiristas uma vez, acho que seria uma boa trocar de novo.

O episódio era responsável por trazer o grande momento da temporada, e trouxe, mas de uma forma bem previsível. Arrisco a dizer que se o killer não fosse Kieran, o começo do fim seria uma legítima porcaria. Mas não vou condenar em 100% o episódio, afinal ele teve bons momentos, bem poucos.

Grande parte dos acontecimentos foram jogados na cara de quem assistia, as explicações se resumem em “do nada o Kieran é o assassino… do nada o Eli aparece… do nada o xerife aceita na boa que Emma e Audrey são inocentes…“. Foi tudo literalmente jogado, não teve construção nenhuma, onde a policia e os próprios personagens descobririam uma virada na história, tipo “pensando bem, não pode ser o Eli” e eis que se descobre de forma mais “épica” que na verdade era o Kieran, não aconteceu.

Fiquei realmente decepcionado com muitos fatos que ocorreram durante o episódio, esse Ghostface realmente foi muito ruim, e foge completamente da característica do que deveria ser. Não condeno o assassino porque queria um igual ao dos filmes, muito pelo contrário. Só quero deixar bem claro que mesmo tendo a motivação mais óbvia e correta, o conceito do Kieranface foi horrível durante toda a temporada, onde teve pequenos lapsos daquilo que poderia realmente ser de verdade. Essa palavrinha (verdade) precisa ser dita: Scream tem muito potencial, mas aqueles que fazem a série não sabem aproveitar em nada isso.

Imagem: Reprodução/ Banco de Séries
Imagem: Reprodução/ Banco de Séries

Um exemplo que vou dar é do próprio elenco, a nível de atuações sabemos que a precariedade reina na série, mas damos um certo desconto por ser um drama teen. Mesmo assim personagens como a Brooke tiveram momentos onde a atriz pôde aproveitar a cena e entregar uma boa atuação. No caso de Amadeus (Kieran) ele teve o momento da vida dele, onde poderia colocar toda a insanidade assassina do personagem para fora, e ele conseguiu, durante uns 10 segundos, mas conseguiu. Foi frustrante ver a atuação do rapaz daí para frente, de pastelão para um menino revoltado em plena puberdade é um grande pulo, para trás. A segunda temporada acabou, e mais uma vez a história pode recomeçar, mas do zero. É incrível e ao mesmo tempo horrível um seriado estar em plena expectativa de viver uma terceira temporada e ter que se reconstruir quase que do zero toda a sua produção. Mesmo tendo arcos finalizados ao fim de suas temporadas, o mínimo que a série poderia fazer é aproveitar vários elementos da composição, mas a única coisa que será reaproveitada é o elenco, por causa dos contratos.

O final, a cena da prisão onde alguém liga para o Kieran e já o deixa avisado foi a parte mais legal do episódio, foi a parte mais promissora da temporada inteira, deixando um bom gancho para os episódios especiais de Halloween. Espero que os roteiristas saibam aproveitar bem isso e que os conceitos da série mudem muito daqui para frente. Formato, padrão e tom devem ser um só, constantemente, e não ficar mudando tudo, incluindo a filmagem e a montagem de cada episódio porque “do nada” resolveram fazer uma referência a um filme de terror diferente em cada episódio da temporada. Deixem para o Noah as referências, e por favor assumam um padrão e uma regularidade para a série. Já está mais do que na hora disso acontecer.

A trama de Scream, como um todo, é muito simples, o único compromisso que se deve ter em fazer essa série é de ter um bom desenvolvimento para a história e um bom assassino. De resto não é necessário querer fazer algo maravilhoso, ou uma revolução roteirista cult, pois se continuar assim a confusão de conceitos e formatos de Scream tende a aumentar e piorar ainda mais.

 

Nota do autor para o episódio:
Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
, , , ,

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid’s Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você Também Pode Curtir