Primeiras Impressões | ‘Westworld’ tem potencial para substituir ‘Game of Thrones’?

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Arquivo Pessoal/ Rubens Oliveira
Imagem: Arquivo Pessoal/ Rubens Oliveira

A HBO lançou neste domingo (02) sua mais nova série – e sucessora de Game of Thrones – Westworld. A série se passa em um parque temático futurístico para adultos, dedicado à diversão dos ricos. Um espaço que reproduz o velho oeste, povoado por androides – os anfitriões-, programados pelo diretor executivo do parque, Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins), para acreditarem que são humanos e vivem no mundo real. Lá, os clientes – ou novatos – podem fazer o que quiserem, sem obedecer cumprir regras ou leis.

Roteiro, direção, atuação, trilha sonora e efeitos especiais, todos excelentes. A trama é o grande destaque de Westworld. A história de um parque onde você pode fazer o que quiser com robôs é simplesmente ótima e abre espaço para diversos ganchos e subtramas. Com essa temática a série ainda consegue se manter atual, tendo a chance de fazer críticas a sociedade contemporânea e ao uso demasiado da tecnologia pelo ser humano.

As atuações estão impecáveis, principalmente as dos robôs. Louis Herthum deu um show interpretando Peter Abernathy, pai de Dolores Abernathy (Evan Rachel Wood). Evan desempenhou seu papel com graciosidade. Sua personagem, mesmo sendo uma robô, consegue transparecer o carisma necessário para o telespectador desenvolver um sentimento de empatia por ela. O brasileiro Rodrigo Santoro também desempenha um grande papel na trama, interpretando o vilão – e robô – Hector Escaton. Desta vez ele não foi menosprezado e seu personagem realmente tem uma grande importância na série.

Westworld se destaca pela forma que explica toda a complexidade de sua trama para o público. Ao invés dos personagens chegarem, pararem e explicarem tudo que acontece, as informações simplesmente vão sendo desenvolvidas durante o decorrer do episódio, sem parar para ter um “momento explicativo”. Isso é um grande ponto positivo da série, pois ela possibilita que o telespectador tente desvendar essa sociedade futurista tão evoluída, assim como também não duvida da capacidade do público em entender o que está acontecendo. Existem algumas dúvidas que a série deixa pairando para serem desenvolvidas nos próximos episódios e que podem deixar o telespectador um pouco confuso. Porém, Westworld tem toda a capacidade de desenvolver sua trama sem deixar nenhuma pergunta sem resposta, que muitas vezes acaba se tornando um problema para as séries – como foi o caso de Lost, quando gerou tantas dúvidas e mistérios durante suas 5 temporadas e na hora de respondê-los tudo ficou complicado demais e ainda mais confuso.

Westworld já mostrou que tem potencial de se tonar uma nova Game of Thrones. A trama é envolvente, os personagens são intrigantes e os detalhes técnicos são ótimos. A série é uma ficção científica de qualidade, até porque a série tem como produtores executivos os grandiosos J.J. Abrams (Fringe, Cloverfield, e revitalizou Star Wars e Star Trek nos cinemas), Jonathan Nolan (Interestelar, Batman: O cavaleiro das trevas, Batman: O cavaleiro das trevas ressurge) e Lisa Joy (Pushing Daisies, Burn Notice).

Westworld passa simultaneamente com os Estados Unidos todos os domingos na HBO Brasil às 23h.

Avaliação

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Sou com certeza um viciado em séries. Gosto de todos os tipos. Minhas preferidas são Sense8, Séries da Marvel,Game of Thrones, Westworld e Outlander. Se tiver super-herói pode ter certeza que vou assistir.

Você também pode gostar