Tamo Junto tem como seu maior mérito a dupla de protagonistas interpretados por Leandro Soares e Matheus Souza, este também é o diretor do filme. De um lado um arco de redenção e do outro o descobrimento da vida como ela é. Tamo Junto se faz de clichês do início ao fim, e para sua sorte eles funcionam muito bem na narrativa.

Aqui a falta de originalidade não incomoda, já que o longa se dispõe a trazer colagens de títulos como American Pie e Superbad. Além disso, a narrativa é carregada de clichês eficientes. Felipe (Leandro) traz um arco interessante na história, tendo a famosa dúvida sobre o que fazer da sua vida quase aos trinta anos de idade após terminar um relacionamento. Em contraponto, Paulo (Matheus) é um jovem que mora com a mãe, não trabalha e passa o dia vendo séries e jogando video game. Este está se descobrindo, tendo a verdadeira adolescência de forma tardia.

Apesar de tratar de forma atenciosa os seus personagens, o roteiro se enrola ao não conseguir definir qual dos dois é seu protagonista e deixa o tempo de tela dos seus personagens mal dividido. Outro problema é a dificuldade que o longa encontra até se assumir por completo como uma comédia romântica. O fato incomoda porque a história gira em torno desta essência, mas tem dificuldade em aceitá-la.

Sophie Charlotte também participa como Julia, e com ela o longa encontra um caminho mais ameno. Assim como Alice Wegmann agrega elementos interessantes na construção de Paulo Ricardo, como seu interesse amoroso. Os conceitos conservadores do protagonista fogem um pouco do formato clichê dos nerds no cinema, sendo mais do que uma figura introvertida.

Com alguns deslizes, Tamo Junto é uma obra leve que não se leva totalmente a sério. E por fazer colagens de outros filmes, como os já citados e até mesmo A Vinganças dos Nerds, o longa tira o peso dos ombros e não assume o compromisso de ser uma referência cult no cenário nacional.

Avaliação

[yasr_overall_rating size=”medium”]

COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 6º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.