Negan e Carl tiraram The Walking Dead de sua zona de conforto. Apesar dos dois personagens carregarem o episódio nas costas, o contexto da trama não é tão animador. Com o grupo totalmente dividido, a série se encaminha para o início de uma guerra, que só alguns personagens querem travar.

Carl vem sendo desenvolvido desde a primeira temporada, mesmo tendo pouco espaços nos anos iniciais o garoto sempre teve momentos de destaque. As situações que o personagem passou ao longo dos anos fizeram com que a criança fizesse o que fez neste episódio. Chandler Riggs terminou o seu contrato logo quando o personagem tem seu melhor momento da série, não quer dizer que ele morrerá, mas seria uma pena ver Carl indo do céu ao inferno em apenas uma temporada. É de um personagem como ele que The Walking Dead precisa para quebrar a rotina.

O sétimo episódio reforça aquilo que a temporada melhor trabalhou: o que é, quem é e o que faz Negan para as pessoas que convivem com ele ou o conhecem. A brincadeira que ele faz perguntando ao Carl :“Eles ainda estão ajoelhados, não?”, simboliza bem isso. O medo que ele administra misturado com o respeito dos seus “súditos”, é incrível, mas isso tem que ser levado para algum lugar. Contextualizar isso em todos os episódios é interessante, agrega, mas precisa ter um objetivo e até agora foi para mostrar que Negan também é badass.

O episódio foi bom, teve mais de um núcleo e apresentou de interessante apenas a relação entre Negan e Carl. A revolta de Michonne e Rosita ao tentarem fazer algo contra a situação que estão vivendo é falha no momento em que se sabe que dará errado. Um pequeno destaque vai para a cena entre Padre Gabriel e Spencer. Um personagem inútil e outro que vem crescendo e conquistando o público, sua fala foi mais do que certeira sobre o não pecador.

Poucos ganchos foram deixados para o fall finale, ou o último episódio de 2016, mas espera-se que a história avance novamente, assim como avançou neste episódio. O que aconteceu em Sing Me a Song é o que estava sendo cobrado da série. Não é preciso ter ação, explosão e mortes para construir um bom episódio, apenas uma história que cresça e que vá para algum lugar, assim como foi hoje. O foco foi contextualizar que parte do grupo está servindo ao Negan, liderados por Rick que aceitou a condição em um primeiro momento. E por outro lado, o núcleo que não cogita aceitar tal humilhação.

A partir daqui The Walking Dead irá desenvolver ainda mais essa relação entre Carl e Negan, que funcionou muito bem neste episódio. Espera-se que não percam o foco da guerra, ela precisa acontecer nessa temporada, se não deem boas vindas ao novo Governador.

COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 4º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.