Crítica | Riverdale – 1×05 – Heart of Darkness

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: IMDb

No episódio dessa semana focamos na estranha família Blossom, e no memorial de Jason (Trevor Stines). Todo o clima de suspense que rondava a casa da família, dando a entender que estávamos vendo um daqueles filmes de terror que se passa em uma casa assombrada, soou um pouco exagerado, mas foi importante para percebemos que os Blossom estão longe de ser normal.

Uma das coisas importantes do episódio, foi que entendemos um pouco mais da postura de Cheryl (Madelaine Petsch).  A aproximação dela com Veronica (Camila Mendes) foi outro ponto positivo de “Heart of Darkness“, além de servir para vermos Betty (Lili Reinhart) e Jughead (Cole Sprouse) se aproximando em uma investigação que fez os adolescentes descobrirem que foi o pai de Betty que invadiu a casa do xerife e destruiu toda a investigação do caso de Jason – além de descobrirmos também, o motivo de sua família e os Blossom serem rivais.

Archie (K.J. Apa), que era pra ser o protagonista, acaba sendo ofuscado por tramas bem mais interessantes que seu dilema entre música e futebol, o que prejudica um pouco o desenvolvimento do personagem. Tenho certeza que o público, após esse episódio, prefere Betty e Jughead, do que a dupla sem graça que ela forma com o músico. Até seu pai, Fred (Luke Perry), tem uma história interessante com Hermione (Marisol Nichols), e achei que o envolvimento de ambos foi outro ponto que deu certo.

Um pouco mais de informação em um episódio razoável, mas que não prejudica a série que vem sendo uma grata surpresa.

Avaliação

(Bom)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Futuro pedagogo e jornalista. Apaixonado desde sempre por televisão, música e cinema. Criador do blog 'Jurandir Dalcin Comenta' que completa cinco anos neste ano.

Você também pode gostar