Crítica | Riverdale – 1×13 – The Sweet Hereafter | Season Finale

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Screen Shot/Banco de Séries

Após um penúltimo episódio para ninguém botar defeito pensei que Riverdale não teria muito para mostrar em sua season finale, mas acabei sendo surpreendido. Nos primeiros dez minutos pouca coisa aconteceu, mas o tempo ia passando e logo fui surpreendido por uma finale típica de série adolescente. E não, isso não é algo negativo, muito pelo contrário, já que um dos poucos erros da série durante a temporada foi tentar ter um ar de série adulta quando na realidade ela não é.

Começamos o episódio no mesmo momento que o anterior terminou, e logo o primeiro dilema do episódio apareceu. Jug (Cole Sprouse) está correndo o risco de ir viver com uma família adotiva, o que acaba fazendo o garoto trocar de escola. E é no momento em que Archie (K.J. Apa), Betty (Lili Reinhart) e Veronica (Camila Mendes) vão atrás de Jug que Cheryl (Madelaine Petsch) decide tirar a sua própria vida, sendo resgatada pelos colegas que vão atrás dela. Aliás, a cena em que Archie tira a garota do gelo é uma das cenas que vão ficar na memória – juro que não esperava por aquilo.

Após tentar tirar sua própria vida, Cheryl colocou fogo em sua própria casa em uma cena típica dos Blossom, macabra. A forma que sua mãe a tratou nesse episódio só me faz sentir mais simpatia pela personagem, já que a forma como ela trata os outros, é apenas um escudo para não verem que ela está sozinha no mundo, já que o único que realmente a amava morreu.

Vamos falar de Betty? Sim, eu decidi dedicar um parágrafo somente a ela. A personagem é super diferente das protagonistas da CW, ela luta pelo que acredita e não está nem aí para as consequências. Tudo o que ela fez nesse episódio foi lutar por justiça, já que não era certo o que estavam fazendo com Jug. A cena em que ela bate de frente com a sua mãe é mais uma das tantas dessa temporada que se tornaram memoráveis. E o discurso que ela faz na frente da cidade inteira, isso depois de ser ameaçada, é de uma coragem tremenda. Então sim, a personagem é o grande destaque dessa primeira temporada junto do seu par romântico.

Veronica e Archie se aproximaram nesses dois últimos episódios, mas, o que é o Archie dando a entender que está incomodado com o fato de Betty estar apaixonada por outro? O personagem não é muito querido, mas teve uma leve melhora e eu realmente espero que os roteiristas não insistam nessa coisa de triângulo amoroso na próxima temporada. Deixem os casais como estão, uma série não é baseada apenas em quem vai ficar com quem, há muitos outros conflitos bem mais interessantes que eles podem abordar. Veronica é uma personagem que prometeu muito no início e foi perdendo destaque, já que sua amizade com Betty, que era prometida como algo que iria abalar as estruturas da cidade, aconteceu de forma rasa, sem muitos conflitos que pudessem causar uma emoção a mais em quem estava assistindo.

Foi uma temporada que teve seus altos e baixos, mas ainda assim teve um saldo positivo. Terminamos com Fred (Luke Perry) baleado, sendo Hiram Lodge (Mark Consuelos) o principal suspeito. Ou seja, o pai de sua namorada seria o mandante do atentado? E até onde Hermione (Marisol Nichols) estaria metida nisso? Jug vai entrar para as Serpentes? Quem é o irmão desconhecido de Betty? Agora é segurar a ansiedade e aguardar a segunda temporada com as respostas dessas perguntas.

Avaliação

 (Ótimo)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Futuro pedagogo e jornalista. Apaixonado desde sempre por televisão, música e cinema. Criador do blog 'Jurandir Dalcin Comenta' que completa cinco anos neste ano.

Você também pode gostar