Resenha | Roleta Russa

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Editora Arqueiro

Título: A Roleta Russa
Autor(a): Jason Matthews
Páginas: 432
Editora: Arqueiro
Ano: 2014

“Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de forma abrupta. Logo em seguida, mais um golpe: a morte inesperada do pai, seu melhor amigo. Desnorteada, Dominika cede à pressão do tio, vice-diretor do serviço secreto da Rússia, o SVR, e entra para a organização. Pouco tempo depois, é mandada à Escola de Pardais, um instituto onde homens e mulheres aprendem técnicas de sedução para fins de espionagem. Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe uma importante missão: conquistar o americano Nathaniel Nash, um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR. Logo Dominika e Nate entram num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro.”

Jason Matthews, ex-funcionário da Diretoria de Operações especiais da CIA, traz um romance de espionagem bem à moda Guerra Fria onde nos mostra que a rixa entre as duas potências mundiais, EUA e Rússia, nunca acabaram. A Roleta Russa inicia a série “Nathaniel Nash e Dominika Egorovacom só a primeira parte da história publicada pela Editora Arqueiro. A série já tem um segundo livro, mas não tem previsão de lançamento no Brasil. O livro conta a história desses dois oficias, ambos dos serviços secreto americano (CIA) e russo (SVR), onde cada um tem uma missão bastante difícil: recrutar um ao outro afim de descobrir o traidor presente em cada uma das agências.

Os personagens principais são bem construídos. O autor mostra a trajetória dos dois desde os seus primeiros anos até os dias atuais e o que levou ambos a chegarem aquele ponto e o desenvolvimento ao longo da história. Com enfoque especial na Dominika, que tem uma trajetória difícil, mas mesmo assim destaca a sua bravura e o dom que a personagem tem de “ler as pessoas” através de sua aura. Dom este que Dominika usa para descobrir quem está do seu lado e quem quer prejudicá-la. Os personagens secundários também são muitos bem construídos e muito relevantes na história. Nenhum deles é colocado na trama à toa, pois o autor dedica uma ou duas páginas para uma breve introdução do que são esses personagens, suas origens e a relevância deles na trama. De uma forma bem interessante o autor nos mostra a interação que esses personagens têm um com ou outro, ou as suas possíveis desavenças.

Com uma escrita rica em detalhes, porém, de fácil entendimento, Matthews nos passa o mundo da espionagem e das agências de inteligência de uma maneira concisa e coesa. A linguagem usada contribui para isso e faz com que a leitura fique fluída e interessante. Entretanto, algumas vezes o autor usa uma linguagem mais técnica e isso pode exigir um pouco mais do leitor, mas esse fator não compromete a leitura, pelo contrário, fortalece ainda mais a credibilidade dos fatos.

A narração do livro é feita em terceira pessoa, através de um narrador onisciente, que capta as emoções não só dos personagens principais, mas também dos secundários. No entanto, essa mesma narração às vezes tira o “elemento surpresa” devido os pensamentos dos personagens serem simultâneos em uma mesma página. O livro ficaria muito mais interessante se ele fosse contado em primeira pessoa pelos personagens principais, porque assim teria um suspense melhor e mais condizente com o clássico romance de espionagem. Além disso, o autor peca quando tenta definir o ponto central do livro que apresenta várias ideias, porém, esse quesito pode ser aceito devido a continuação do livro que, como dito anteriormente, ainda não tem previsão de chegada no Brasil.

Imagem: Ítalo Alves

Os cenários da história se passam em diversas cidades do mundo, como Moscou, Helsinque, Atenas e Washington, e a pesquisa do livro é muito bem desenvolvida nesse quesito. Em cada capítulo o autor passa uma receita culinária do lugar de onde a comida é feita, que pode ser uma simples entrada como um prato mais elaborado. Outro ponto interessante dessa pesquisa é o livro mostrar a estrutura das agências de inteligência americana e russa. É realmente espetacular a forma como Matthews conduz a realidade com a ficção, sendo um ex-funcionário da CIA, ele junta essa experiência com uma pesquisa rica em detalhes tanto do país natal como uma referente a Rússia e o serviço secreto do país. O autor também trata de questões políticas, hierarquias e diplomáticas que, no papel, são feitas de um modo, mas que na realidade são completamente diferentes.

De um modo geral, Roleta Russa é um instigante livro de espionagem, mas que também trata de assuntos mais sérios como ideologias e patriotismo. Para um romance de estreia, Jason Matthews se saiu muito bem e deixou um gosto de quero mais acerca do que está por vir na continuação dessa história.

Avaliação

(Ótimo)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Estudante de jornalismo, viciado em séries e amante de bons livros, principalmente os romances policiais, espionagem e ficção científica.

Você também pode gostar