Crítica | Game of Thrones – 7×02 – Stormborn

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Stormborn começa com Daenerys (Emilia Clarke) em Pedra do Dragão, numa noite de tempestade muito parecida com a qual ela nasceu, junto de seus conselheiros enquanto confronta Varys (Conleth Hill) sobre qual seria a sua moral e o seu propósito verdadeiros devido as suas ações discutíveis. Em resposta, ele diz que a sua lealdade é com o povo porque os reis não foram justos com ele e nem com as pessoas. Foi interessante esse questionamento e também o posicionamento do personagem, mas a dúvida que fica é por que A Mãe dos Dragões só pensou em perguntar isso a ele agora, depois de uma viagem pelo mar?

Daenerys recebe a visita de uma personagem já conhecida, Melisandre (Carice van Houten), que finalmente informa sobre o exército dos White Walkers, fala sobre a profecia, conta sobre Jon Snow (Kit Harington) defendeu e lutou com os Selvagens contra os Outros, e que agora ele é o novo Rei do Norte. Tyrion (Peter Dinklage) comenta que conhece Jon e que gosta dele, Daenerys pede que ele chame o Rei do Norte para que ajoelhe-se perante ela.

Mais tarde, Daenerys demonstra aos seus aliados de guerra que não quer ser a Rainha das Cinzas e conquistar tudo de forma brutal como o seu pai, o Rei Louco, fizera anteriormente. Apesar de Yara (Gemma Whelan), Olenna (Diana Rigg) e Ellaria (Indira Varma) terem a intenção de atacar Cersei (Lena Headey), Tyrion estrategicamente arma um plano para evitar que os dragões matem milhares de pessoas. Mesmo seguindo os conselhos de sua Mão, Daenerys conversa com Olenna Tyrell que lembra que ela sempre será o DragãoDaenerys é uma personagem que evoluiu e aprendeu a ouvir e dialogar, Olenna, por outro lado, é ardilosa e deseja a vingança acima de tudo sobre Cersei, além de ser também uma assassina afinal foi ela quem tramou a morte de Jofrey (Jack Gleeson).

Em King’s Landing, vemos Cersei fazendo um discurso sobre a Mãe dos Dragões e o seu exército, lembrando o que o pai dela fez para o povo. A Rainha tem o apoio dos lordes de Westeros. Jaime (Nikolaj Coster-Waldau) conversa com o pai de Sam (John Bradley-West), Randyll Tarly (James Faulkner), que sempre foi fiel aos Tyrell e lutar contra eles seria uma traição, mas Jaime faz uma proposta para que seja o guardião do Sul e provavelmente os Tarly devam lutar ao lado dos Lannister.

Enquanto isso, Sam, continua o seu estágio na Cidadela e encontra com Jorah Mormont (Iain Glen), que está infectado e sem esperanças de tratamento. Sam encontra um tratamento experimental para o escamagris  de Jorah e põe em prática o terrível procedimento. Foi uma cena que serviu mais para enrolar e Game of Thrones, com poucos episódios nesta temporada, parecia não apresentar esse tipo de capítulo.

No Norte, Jon recebe a mensagem de Tyrion, conversa com Sansa (Sophie Turner) e Davos (Liam Cunningham), e mesmo concordando que esse Lannister é uma boa pessoa, decide que não irá ao encontro de Daenerys. Porém, depois ele recebe a mensagem de Sam contando sobre a existência de obsidiana em Pedra do Dragão, o Rei do Norte reúne os seus lordes para falar sobre as mensagens que recebeu e que decidiu ir ao encontro de Daenerys, o que tanto Sansa como todos os outros senhores do Norte são contra por acharem que seja uma armadilha e que um Rei não deva deixar o seu povo sozinho.

Jon mostra que também tem sangue de dragão, mesmo que não saiba, e impõe a sua vontade, falando que não pediu para ser Rei, que o colocaram nessa posição, mas ele vai lutar até o fim pelo Norte e com as chances que ele tiver. Então, ele parte com Davos para encontrar com Daenerys em Pedra do Dragão e deixa à sua irmã o comando do Norte. Possivelmente teremos o encontro aguardado entre Jon e Daenerys, e sinceramente acredito que a união dos dois possa acabar com a destruição que o inverno, ou Os Outros, trazem.

Em meio a isso, Arya (Maisie Williams) aparece ouvindo uma conversa sobre Cersei e o que ela fez com Porto Real, enquanto reencontra-se com Torta Quente (Ben Hawkey), e ele, obviamente, pergunta por que ela está indo para a capital e não para Winterfell. Logo em seguida, após saber pelo amigo que Jon foi proclamado o Rei do Norte, Arya ruma o seu caminho de volta para casa. Logo depois, a Stark reencontro com sua loba, Nymeria, que agora é líder da alcateia, mas ela está diferente, assim como Arya,  que diz: “Não é você!“; neste momento não há como não lembrar da frase que ela falou para Ned Stark (Sean Bean) quando ele disse que ela se casaria com um lorde: “Esta não sou eu!“; São dois seres que sofreram, mudaram, adaptaram-se e agora são livres.

O episódio acaba com o ataque de Euron Greyjoy (Johan Philip Asbæk) aos navios dos sobrinhos, com Yara e Ellaria virando reféns, e Theon (Alfie Allen) mostrando que continua sendo o Fedor. A batalha foi absurda, pois Yara, Theon e companhia estavam distraídos, havia uma névoa que ninguém conseguia ver nada, e então o tio Euron consegue achar eles e chegar sem ninguém perceber. Assim fica difícil achar isso crível.

No fim, foi um episódio morno, mesmo com a batalha no final e esperando que a essa altura os roteiristas fossem mais objetivos fechando arcos que continuam abertos. Porém, foi bom ver o reencontro de Arya com Nymeria e será muito melhor quando ela se encontrar com os outros Starks. Ainda assim, o próximo episódio, com o encontro de Jon, Daenerys e Tyrion, será interessante para ver no isso irá resultar.

GOT¹: Tio Euron matou duas das Serpentes de Areia, e sinceramente ele poderia também ter dado cabo de Ellaria, que como Tyrion bem lembrou só sabe matar jovens inocentes com veneno, além de não trazer nada de bom à série.

GOT²: É a segunda vez que os momentos de Sam na Cidadela provocam sensações nojentas, dessa vez com ele tirando a casca podre do corpo de Jorah e depois cortando para a cena da torta sendo comida.

GOT³: Volto a afirmar que não acredito em Sansa traindo Jon e Mindinho não vai nada bem em sua arte de manipulação. O Norte é mais forte.

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Educadora, apaixonada por livros, séries e filmes. Gostaria muito de encontrar um portal e assim poder viajar no tempo por diversos lugares e épocas. Como ainda não achei viajo através das histórias dos vários personagens que encontro nesse universo maravilhoso e mágico de versos, rimas e letras.

Você também pode gostar