Crítica | Game of Thrones – 7×03 – The Queen’s Justice

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

“ -Você está na presença de Daenerys Targaryen, Filha da Tormenta, a Primeira de Seu Nome, Mãe de Dragões, Rainha de Mereen, Rainha dos Ândalos e dos Primeiros Homens, Quebradora de Correntes, a Não Queimada, Protetora dos Sete Reinos, Khaleesi dos Dothraki. Última descendente da Casa Targaryen.

– Este é o Jon Snow.”

Em “The Queen’s Justice“, temos finalmente o encontro entre o Rei do Norte e a Mãe dos Dragões, e esse encontro acabou por não ser tão amigável quanto os fãs esperavam – o que foi correto, levando em conta todo o histórico envolvendo as suas respectivas famílias. Eles só ouviram falar sobre o que os seus ancestrais fizeram, não se conhecem e obviamente há desconfiança entre eles. Claramente, Daenerys (Emilia Clarke) não acreditaria na história de Jon (Kit Harington) sobre os White Walkers e ele não aceitaria ajoelhar-se para Daenerys – e foi o que aconteceu. Na verdade, o encontro foi bastante realista.

O bom disso é que o Rei do Norte e a Mãe dos Dragões têm ao seu lado Davos (Liam Cunningham) e Tyrion (Peter Dinklage), que conseguem ter bom senso e os aconselham da forma correta. Daenerys e Jon ouvem Tyrion, e assim a Mãe dos Dragões permite que Jon permaneça em Pedra do Dragão para extrair o vidro de dragão. E ela ficou interessada no ainda inocente Jon Snow.

Enquanto isso, Euron Greyjoy (Johan Philip Asbæk) está se revelando um vilão à altura de Cersei (Lena Headey) e também muito carismático. Ele retornou a Porto Real com as suas prisioneiras, Ellaria Sand (Indira Varma) e sua filh,a como presente para Cersei, e ainda deu uma zoada básica no Jaime perguntando como que Cersei gostava de ser saciada na cama. Mas, por que Yara (Gemma Whelan) ainda não foi morta por ele? Talvez uma forma de Theon Greyjoy (Alfie Allen) recuperar a sua honra salvando-a? Ficam aí as perguntas.

Cersei Lannister, por outro lado, teve a primeira das suas vinganças enclausurando Ellaria em uma masmorra e usando do mesmo veneno que a dornesa usou para matar Myrcella (Nell Tider Free). Dando um beijo envenenado em Tyenne Sand (Rosabell Laurenti Sellers), Cersei deixa que Ellaria veja sua filha morrer e apodrecer lentamente na sua frente. Com certeza Cersei é uma das vilãs mais carismáticas da TV e a Lena Headey é uma das melhores atrizes do elenco. A Rainha também demonstra não se preocupar mais com o segredo da sua relação incestuosa com Jaime (Nikolaj Coster-Waldau). É interessante ver como tudo em Cersei está mais sombrio – desde os seus atos, assim como a cor escura predominantemente nas suas roupas, ditando também os trajes dos seus soldados e dos seus criados.

Em Winterfell, Sansa Stark (Sophie Turner) demonstra que sabe comandar mesmo com um Mindinho (Aidan Gillen) flutuando sobre ela como uma ave rapina. Nisso chega Bran Stark (Isaac Hempstead-Wright) e todos estavam à espera de um reencontro emocionante, afinal eles não se viam desde a primeira temporada. Porém, Bran se mostrou frio como a temperatura do Norte. Ele agora é o Corvo de Três Olhos e tem o poder de ter visões, inclusive os eventos que aconteceram na noite em que sua irmã casou e foi violentada por Ramsay (Iwan Rheon), e isso acaba abalando muito a comandante provisória do Norte. É evidente que todos passaram por muitos sofrimentos e transformações, o caminho de Bran não foi fácil, mas será que ser o Corvo de Três Olhos o tornou uma pessoa fria e sem emoções? Ou talvez ele tenha visto um futuro nada promissor para eles?

Indo novamente para o Sul, o plano ambicioso de Tyrion (Peter Dinklage) para tomar o Rochedo Casterly fracassou, quer dizer, eles tomaram o castelo, mas ficaram presos e sem mantimentos com Verme Cinzento (Jacob Anderson) vendo a sua frota de navios sendo atacada. Daenerys agora perdeu a Frota de Ferro, o exército de Dorne e os Tyrell, e tudo leva a crer que há um traidor entre os conselheiros da Mãe dos Dragões.

Os Lannisters precisam de dinheiro e atacam os Tyrell. Destaque para Olena Tyrell (Diana Rigg) que de forma calma e lúcida, mesmo sabendo qual era o seu destino, revelou com elegância que foi ela quem havia assassinado Joffrey (Jack Gleeson), com veneno, o mesmo fim que ela estava recebendo agora de Jaime, mas que diferente dela que morreria sem dor, Joffrey morreu sofrendo, corroído de dores.

O episódio foi bom, mas confesso que cansativo em alguns momentos. Mas fica o questionamento de como será que Daenerys reagirá perante aos golpes que sofreu, afinal agora ela conta somente com os seus dragões e os Dothraki. Quem sabe agora ela possa ouvir melhor as propostas do Rei Norte, porque, sinceramente, para quem tem três dragões, White Walkers não pode parecer tão absurdo assim.

GOT¹: Melisandre apareceu só para dizer que está partindo, e afirmando que retorna para Westeros para morrer, assim como Varys. É intrigante como as sacerdotisas vermelhas conhecem tanto da vida de Varys.

GOT²: É impressionante a velocidade luz com que Euron Greyjoy consegue empregar em sua frota, pois em um momento estava em Porto Real e em outro no Rochedo Casterly.

Avaliação

(Ótimo)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Educadora, apaixonada por livros, séries e filmes. Gostaria muito de encontrar um portal e assim poder viajar no tempo por diversos lugares e épocas. Como ainda não achei viajo através das histórias dos vários personagens que encontro nesse universo maravilhoso e mágico de versos, rimas e letras.

Você também pode gostar