É um alívio quando um melodrama não se resume apenas em ser um melodrama. O Que Te Faz Mais Forte tem objetivos que vão além de emocionar o espectador com uma história que não se trata apenas de superação – na verdade, nem é essa a mensagem que o longa tenta passar -, pois aqui o mundo real afeta drasticamente a narrativa.

Na vida adulta, muito do que é viver também é relacionado a responsabilidade e a presença de um propósito. O Que Te Faz Mais Forte se apropria desse discurso e usa-o como combustível narrativo. A história de Jeff Bauman é triste e pesada, mas ela não vitimiza, e muito menos diminui, o seu protagonista. Ligado diretamente com a história do recente O Dia do Atentado, O Que Te Faz Mais Forte traz um olhar interno e íntimo sobre o atentado na Maratona de Boston em 2013.

A intenção de retratar a história não é reforçar a relação de patriotismo entre Hollywood e os Estados Unidos, é apenas de trazer realidade para o que está sendo contado. David Gordon Green, o diretor, facilita esse entendimento ao dar o filme um tom, por muitas vezes, documental. A filmagem segue os padrões de um documentário em pequenos momentos, onde a câmera nem sempre acompanha aquele que está falando, dando atenção e foco para os personagens mais importantes dessa história. Assim, o diretor traz o drama para o mundo real, e trabalha muito bem (também) com questões de causa e consequência.

Após perder as duas pernas no atentado, Bauman muda sua vida e torna-se dependente, física e emocionalmente, das pessoas mais próximas, principalmente da ex-namorada, Erin (Tatiana Maslany). Contudo, o diretor, como citado acima, trabalha muito bem com o contexto que existe em volta do protagonista, e é ao desenvolver a vida de Erin que o filme não se limita a melodramatizar a vida de Bauman. Erin mostra como o ocorrido afetou a ela e as pessoas que estão vivendo a rotina de Jeff, além de evidenciar o que essas pessoas tiveram de abdicar para estarem ali.

Divulgação/Paris Filmes

Outro acerto do longa é mostrar que o protagonista não se sente invalidado. Jeff Bauman bebe, se droga, transa, vive, mesmo sem ter parte das duas pernas. No entanto, existe conflito e profundidade no protagonista, que usa a bebida como uma fuga dos problemas. Isso acaba tirando o seu senso de responsabilidade e propósito, o que faz o personagem embarcar em uma rápida jornada de amadurecimento após enfrentar de forma infantil alguns acontecimentos da sua vida – mesmo que alguns dos seus argumentos estejam corretos, até certo ponto.

Jake Gyllenhaal e Tatiana Maslany protagonizam cenas formidáveis no filme. Os diálogos bem escritos e a direção colaboram com a interpretação de cada um e a forma que eles encontram para dar vida a esses personagens da vida real, acaba sendo assustadoramente incrível. Há uma cena em que o casal têm uma discussão séria dentro do carro, que simboliza o ponto mais alto e dramaticamente forte do filme, onde todo o peso daquela história ultrapassa a película e atinge o espectador. A cena em questão é um conjunto formidável que simboliza a união da atuação dos protagonistas com o trabalho do diretor.

O Que Te Faz Mais Forte é triste sem ser melancólico, é bonito sem ser apelativo e resolve encerrar a história de Jeff Bauman e Erin Hurley de um jeito piegas e brega, mas deixando claro que não poderia ser diferente. Apesar de longo, o filme não é cansativo, mas ao bem da verdade há momentos bastante duros durante a projeção. O Que Te Faz Mais Forte é eficiente e se justifica como obra cinematográfica ao não ser apenas um melodrama feito para o choro alheio.

Avaliação
Avaliação: Muito bom
8.0
COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 6º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.