13 Reasons Why
Divulgação/Netflix

13 Reasons Why foi uma grande explosão da cultura pop em 2017, não só pela alta audiência, mas porque gerou debate de temas muito importantes. Penando nisso, a Universidade Northwestern realizou um estudo sobre os diálogos sobre suicídio (o tema central da série), bullying e violência sexual gerados pela série, e como eles mudaram o comportamento de adolescentes, pais e professores.

O Centro de Mídia e Desenvolvimento Humano da Universidade realizou a pesquisa com mais de 5.000 adolescentes em cinco países, incluindo o Brasil, para entender o papel de 13 Reasons Why em motivar essas conversas.

Confira, abaixo, o principais resultados da pesquisada realizada no Brasil:

  • Três quartos dos adolescentes e jovens adultos dizem que tentaram ser mais atenciosos com a forma que tratavam os outros depois de assistir à série;
  • Mais da metade dos adolescentes espectadores pediram desculpas pela forma como haviam tratado alguém;
  • Mais de dois terços se sentiram motivados a ajudar alguém que estava deprimido, sofrendo bullying ou que tenha sofrido violência sexual;
  • 58% dos adolescentes afirmaram que se sentiram mais confortáveis para conversar com seus pais sobre os temas;
  • 90% dos pais relataram que, após assistirem a 13 Reasons Why, conversaram com seus filhos sobre os tópicos abordados na série;
  • 71% dos adolescentes e jovens adultos se sentiram motivados a discutir a série e os temas relacionados a ela com seus pais.
  • 71% dos pais relataram que a série facilitou a abordagem de questões delicadas e fez com que assuntos como depressão, suicídio e violência sexual fossem discutidos com seus filhos;
  • Adolescentes mais jovens e adolescentes com níveis mais altos de ansiedade social relataram que se sentiram mais à vontade para discutir temas difíceis com seus pais, colegas e outros adultos de confiança após assistirem a 13 Reasons Why.

Decidimos estudar quantitativamente ‘13 Reasons Why’ para entender melhor como os adolescentes de hoje estão se engajando e relacionando com o conteúdo em mídia que lida com os problemas que eles estão enfrentando”, disse a diretora do Centro de Mídia e Desenvolvimento Humano da Universidade NorthwesternEllen Wartella sobre o estudo realizado pela Universidade.

A Netflix, inclusive, divulgou um vídeo com a tag #QueBomQueVocêFalou, trazendo depoimento de três jovens que expuseram a situação de bullying pela qual estavam passando. Confira:

Além disso, a Netflix oficializou que para a segunda temporada da série, uma mensagem do elenco com um aviso sobre o que o espectador encontrará no programa vai ser exibida no começo dos episódios. Confira o vídeo:

COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 4º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.