Imagem do filme Entre o Céu e a Terra | Crédito: Divulgação
Imagem do filme Entre o Céu e a Terra | Crédito: Divulgação

Acompanhar um mostra de cinema, seja ela qual for, é ter a oportunidade de conhecer maneiras diferentes de fazer filmes, que não as costumeiras hollywoodianas e europeias que turbinam o calendário comercial das exibidoras brasileiras. Mas ser concebido por outro país, para além dos polos mais dominantes, não credencia qualidade exorbitante.

Por sua vez, Entre o Céu e a Terra acompanha o divórcio de Tamer e Salma e os empecilhos que eles encontram no caminho para assinar o papel no cartório. O filme acaba por se definir como um road movie, que leva os personagens a inúmeros lugares e paisagens (belíssimos, inclusive). Além disso, Entre o Céu e a Terra é uma jornada pessoal e íntima, onde o casal debate sobre o que os levou até a separação.

Entre o Céu e a Terra é uma história comum sobre divórcio, individualidade e busca identitária, termo que caracteriza o foco do desenvolvimento de ambos os personagens. Até então, talvez o filme não se faça tão interessante. O que desperta vontade no espectador para acompanhar a trama é a influência dos conflitos étnicos, religiosos e políticos que tencionam o relacionamento entre os personagens que cruzam o caminho de Tamer e Salma.

Esse contexto transforma, mesmo que apenas um pouco, essa história que até então era somente comum. É nessa roupagem que Entre o Céu e a Terra encontra um ponto diferencial. Mesmo que com a trama leve, e cheia de busca por significados, não se sobressaia ao ponto de ser um grande drama, o longa pode atinge um objetivo mais simples de ser um retrato local do Oriente-Médio. Tudo isso impulsionado pelos caminhos simbólicos e pessoais dos protagonistas que conduzem a trama.

É interessante ainda a trilha sonora trazer melodias locais de músicas famosas, como a performance de Natacha Atlas para a mundialmente famosa I put a Spell on you. Porém, é claro, que neste caso é apenas um adereço curioso que ajuda a construir esse retrato cultural – onde as situações ruins do dia a dia que condicionam os personagens a momentos duros fazem parte dessa cultura.

Entre o Céu e a Terra é um filme interessante que faz valer a pena o tempo investido nele, embora seja importante ter noção de não ir conferi-lo com grandes expectativas. Dentro de todos os filmes selecionados para a 44ª Mostra Internacional de Cinema há nomes de maior peso, com participações expressivas em outros festivais. Ademais, outros longas-metragens podem aparecer em algum momento na temporada de premiações. Para distração e a título de curiosidade, o filme de Najwa Najjar tem o seu valor simbólico e uma narrativa bem desenvolvida para uma dupla de personagens particulares dentro de suas personalidades.

Avaliação
Bom
COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 4º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.