Ramon Francisco (superior esquerdo) como Lico, Raquel Villar (inferior esquerdo) como Jasmin, Gabriel Leone (centro) como Pedro Dom, Digão Riberiro (centro superior) como Armário) e Isabella Santoni (inferior direito) como Viviane na série 'Dom' | Crédito: Divulgação / Amazon Prime Video

Nova série brasileira do Amazon Prime Video, Dom chega nesta sexta-feira, 4, ao catálogo da plataforma. Criação de Breno Silveira, importante cineasta brasileiro dos últimos anos (realizador de filmes como Entre Irmãs, Gonzaga – de Pai pra Filho e Dois Filhos de Francisco), o seriado tem oito episódios na primeira temporada, e traz Gabriel Leone e Flavio Tolezani como os protagonistas Pedro e Victor, respectivamente.

A história é baseada em fatos reais, algo que é ressaltado em todos os episódios. O foco é a jornada de Pedro Dom (Leone), famoso assaltante de condomínios de luxo no Rio de Janeiro, e de Victor Dantas (Tolezani), pai do protagonista e policial civil. Trata-se, na verdade, de um épico carioca sobre tráfico de drogas, vício, crime, família e amor.

A filmografia de Breno Silveira, somada a criação e direção da série 1 Contra Todos, é um elemento importante para pensar sobre o que esperar de Dom. O cineasta costuma contar histórias fortes, com muito apelo dramático enquanto aprofunda relações e personagens. Essas características que compõem os seus trabalhos aparecem e marcam sua nova série.

Na primeira meia hora do episódio que abre a temporada, uma cena chama a atenção: Pedro, em um surto, grita, chora, empurra e distribui socos no pai; Victor Dantas para de xingar o filho e aceita o extravaso, acolhe os ataques até que eles se tornem um abraço, ou um pedido de abrigo. O momento conturbado representa muito do que será visto na sequência dos capítulos, e mesmo que soe clichê, expõe a relação complicada de duas pessoas que se amam.

Flavio Tolezani como Victor Dantas em cena da série ‘Dom’ | Crédito: Divulgação / Amazon Prime Video

Pedro e Victor têm personalidades parecidas, mas traçaram caminhos diferentes. O jovem de vinte e poucos anos cedeu às drogas e ao crime, o pai, em meio a ditadura militar, escolheu lutar contra a cocaína que chegava ao Brasil na década de 1970. Esse paralelo é um recurso importante para a forma que Breno Silveira escolheu para contar essa história.

A presença do passado e do presente somada a união e separação desses personagens, são características que marcam as obras do cineasta, e acertadamente estão presentes em Dom. Esses elementos são importantes para a construção das relações dessas figuras, explorando seus traumas, carências e desejos, assim como solidificando suas personalidades.

É partir dessa identidade narrativa que Breno Silveira convida o espectador para conhecer a história e os personagens. A comunhão de elementos que vão além do roteiro e compõem o conjunto da obra enriquecem a experiência imersiva proposta pelo cineasta e sua equipe. Este trabalho se torna ainda mais genuíno com dedicação do elenco.

Em uma coletiva de imprensa que antecedeu em pouco mais de uma semana o lançamento do seriado, Breno Silveira revelou que as filmagens aconteceram em ordem cronológica. Quer dizer, apesar da narrativa ser um emaranhado de momentos que alternam entre presente e passado, Dom tem um trabalho de decupagem muito expressivo. Pois a cada episódio a combinação dos flashbacks com o presente têm um papel importante para que o desenvolvimento da história faça sentido na proposta de Silveira.

Gabriel Leone (centro) como Pedro (Dom) Dantas em cena da série ‘Dom’ | Crédito: Divulgação / Amazon Prime Video

Outra informação levada pelo cineasta para a conversa com os jornalistas era de que tudo foi filmado sem a utilização de estúdio, logo, em locações reais. Essa afirmação tem dois significados. O primeiro é o senso de realidade empregado a história a partir das localidades que foram escolhidas para as gravações. E segundo que somando isso a forma de captação, com uma câmera inquieta na mão, garante-se um material de atuações com emoções muito palpáveis.

Esses atributos técnicos da composição da série são os elementos que mais podem conquistar os espectadores. Não basta apenas uma boa história, é preciso contá-la da melhor forma e ter nas características cênicas um bom produto. E tudo isso está presente nesta produção.

Por se basear em uma história real, todos os spoilers de Dom estão disponíveis na internet. Basta uma rápida pesquisa para encontrar toda a história do protagonista e os livros “Dom”, de Tony Bellotto, e “O Beijo da Bruxa”, de Luiz Victor Lomba (o verdadeira Luiz Dantas). As obras, obviamente, ajudaram Breno Silveira a construir a trama, mas não sozinhas. O cineasta foi procurado por Luiz Victor em sua produtora há cerca de 12 anos, e depois de colher seus depoimentos pôde, junto com a sua sala de roteiristas, entrevistar inúmeras pessoas envolvidas com a história. Algo que enriqueceu muito a narrativa.

Dom é uma produção marcante para o início da caminhada das produções nacionais Original Amazon. Breno Silveira é um contador de histórias ímpar e sabe extrair momentos genuínos dos seus protagonistas. Foi assim com Nanda Costa, Marjorie Estiano e Letícia Colin no épico do cangaço Entre Irmãs (2017), e é assim com Gabriel Leone, Flavio Tolezani e companhia nesta série.

Gabriel Leone como Pedro (Dom) Dantas em cena da série ‘Dom’ | Crédito: Divulgação / Amazon Prime Video

Dom tem um roteiro que acerta na escolha de como construir dessa história, no desenvolvimento dos seus personagens e nas suas relações. Tem também uma composição estética que valoriza ainda mais a produção. É sem dúvida um dos títulos mais interessantes e promissores do Amazon Prime Video.

Com claras influências em filmes como Tropa de Elite (2007) e Cidade de Deus (2002), com uma cena específica homenageando este segundo, Dom é resultado de um trabalho carregado de empenho. A frase de Breno Silveira que marcou a entrevista coletiva da série é um perfeito resumo sobre os acertos da produção: “a vida não faz sentido, mas o roteiro precisa fazer”.

Dom faz sentido antes mesmo de todas as suas peças serem encaixadas. Entrega para o público não só uma boa história, mas uma experiência narrativa muito rica. A trama dá ao espectador emoção, revolta, drama, ação e imersão. Mesmo que na vida real a história de Pedro e Luiz Victor já tenha acabado, o maior mérito de Dom é fazer com que cada indivíduo acredite na possibilidade da ficção ser diferente da realidade.

Confira também

Avaliação
Ótimo
9.0
COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 6º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.