Crítica | Cidades de Papel

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Critica Cidades de Papel 2

John Green, esse é o cara dos filmes teen do momento. Após o grande sucesso recente de A Culpa É das Estrelas, o autor  emplacou mais uma adaptação literária nos cinemas Paper Twons (Cidades de Papel).

Quentin Jacobsen (Nat Wolf), um menino tímido, um geek/nerd apaixonado pela vizinha e colega de escola Margot Roth (Cara Delavingne) uma jovem aventureira e a garota mais popular da escola. A história é interessante inicialmente, mas se torna superficial depois por querer ser algo enigmático trabalhando em cima de algumas metáforas que os próprios personagens criam.

Diferente do romance anterior de Green, Cidades de Papel está mais para uma aventura platônica desiludida. O grupo de adolescentes que vive seu último ano do ensino médio mostra que na verdade não buscam aquele grande amor de suas vidas, visivelmente os personagens estão entrando em um caminho de descobertas, descobrir quem eles realmente são, qual o propósito de vida deles, entre outras dúvidas que todos nós temos ou tivemos em nossas vidas. Em si esse realismo artificial criado na atmosfera do longa-metragem é bem básico e conta com uma produção simples e correta.

Cidades de Papel é um filme legal que vêm para nos distrair. Apesar da sua superficialidade o filme prende a atenção porque instiga o público a querer saber o que vai acontecer. Um defeito do filme foi o desenvolvimento do enredo. Por exemplo, para os fãs que antes de assistir o filme já haviam lido o livro puderam perceber que acontecimentos importantes da obra foram cortados pela produção cinematográfica. Outro quesito no desenvolvimento que deixou a desejar foi a busca de Quentin por Margot. A viajem poderia ter sido mais interessante do que realmente foi, na verdade não foi muito bem explorada, pois não seria errado a busca se restringir apenas a cidade deles, seria até mais emocionante porque na noite em que passaram juntos eles passaram por lugares importantes e marcantes.

Critica Cidades de Papel 3

A trilha sonora é empolgante, não o ritmo das músicas, mas no caso a qualidade. São músicas que tem tudo a ver com o filme. HAIM, Grouplove, Santigold, Vampire Weekend e Alice Boman são os mais conhecidos. O elenco ainda conta com Halston Sage interpretando a melhor amiga de Margot, Lacey, Austin Abrams e Justice Smith no fazendo os dois melhores amigos de Quentin, Bem e Radar respectivamente.

Cidades de Papel é uma boa pedida para quem quer fazer um programa descontraído, sem crianças por causa da linguagem adolescente, para se divertir com a namorada ou com os amigos. E como se não bastasse o autor John Green vai ter mais um filme nos cinemas, Deixe A Neve Cair também será adaptado para as telonas em 2016.

Nota do filme - Cidades de Papel

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid's Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você também pode gostar