Crítica | Fora do Rumo garante a tradicional diversão de Jack Chan

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

fora-do-rumo

Jack Chan está de volta aos cinemas. No auge de seus 62 anos, o ator chega com mais uma de suas aventuras cheia de luta e diversão. Apesar de ser um filme mediano e tradicional do gênero que Chan se especializou, é muito bom ver os ares do ator novamente nas telonas.

Fora do Rumo segue um detetive de Hong Kong que busca justiça e vinganças nas mesmas proporções contra um notório criminoso, que “matou” seu parceiro e melhor amigo Young (Eric Tsang). Para isso ele une forças com um americano fanfarrão e galhofa vivido pelo péssimo Johnny Knoxville.

A história não tem nenhum tipo de novidade no gênero, apresenta uma aventura bem básica com ação, dramas pessoais e conflitos de interesse. O verdadeiro e inesperado destaque é Rolling in the Deep (clássico da cantora Adele) sendo cantada por Jack Chan em uma comunidade Mongol. Foi algo realmente surpreendente ver especificamente a esta cena.

Jack Chan não é mais um garoto, e apesar não ter nada relacionado a sua aposentadoria dos filmes de ação, era visível que durante todo o longa pairava no ar um clima de despedida. Lógico que o personagem de Chan, Bennie Chan, também estava em final de carreira, então deve ser algo proposital. Mas por se tratar de um ícone deste estilo de filme e do cinema, é preciso chamar a atenção para este pequeno detalhe.

As cenas de ação, como de costume, são bem coreografadas e tem a assinatura de Jack Chan em suas peripécias mirabolantes e desequilíbrios. Dentro disso há o grande problema da história: o comum. Não é de hoje que os longas de Chan envolvem salvar uma “donzela” e a traição de pessoas próximas. Sem surpresas é exatamente isso que se vê em Fora do Rumo. Um longa de ação e lutas divertido e engraçado, que não se leva a sério, e nem pode ser lavado com tal seriedade por quem o assiste. Há também o uso de efeitos visuais bem mal feitos, como cenas em Studio que fica evidente o fundo verde, ou a tela com imagem projetada.

Fora de Rumo é competente com a diversão que se  compromete, mas a história, as atuações e o desenvolvimento deixam a desejar. Tudo bastante comum e correto. Isso é o que se pode esperar de Fora do Rumo – dirigido por Renny Harlin, das séries Graceland e White Collar -, um filme com nada de mais.

Avaliação
Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
, , ,

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid’s Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você Também Pode Curtir