Resenha | A Garota no Trem

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Imagem: Editora Record

Título: A Garota no Trem
Autor(a): Paula Hawkins
Páginas: 378
Editora: Record
Ano: 2015

“Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess, na verdade Megan, está desaparecida. Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota No Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.”

 

A história é contada em primeira pessoa pelas três personagens principais: Rachel, Megan e Anna. Cada ponto de vista complementa o outro e a história vai tomando forma com o passar das páginas. A leitura é bem fluída desde o começo e o leitor não tem dificuldade de ficar vidrado na história. A trama é um bom drama psicológico e trata alguns problemas vividos pela sociedade contemporânea como alcoolismo, depressão, adultério e relacionamentos abusivos. A autora deixa nas entrelinhas as críticas a esses tipos de problemas de uma maneira bem coesa.

Como dito anteriormente, a escrita de Paula Hawkins é bem fluída e de fácil entendimento. Seus personagens são bem construídos e levam uma carga dramática muito forte. A forma que a autora restringiu a quantidade de personagens – tanto os principais como os secundários –  também foi outro ponto positivo. Ela soube focar na medida certa em cada um para assim passar uma história sem furos e concisa.

A trama é recheada de mistério por causa dos acontecimentos que se passam durante a história e a autora planta algumas pistas falsas sobre quem é realmente o grande vilão. Essa parte do “quem é o culpado?” foi bem trabalhada porque deixou dúvidas na cabeça do leitor sobre quem realmente cometeu os crimes. Porém, mesmo com todo o aparato do começo e do desenvolvimento, o clímax e o desfecho do mistério foi um pouco fraco e teve alguns furos, faltando mais detalhes sobre os acontecimentos que levaram àquele desfecho.

Foto/Ítalo Alves

Fisicamente, a Editora Record caprichou na capa, que ficou com um ar de mistério. As folhas, levemente amareladas, juntamente com a diagramação e a tradução também ficaram boas. A única coisa negativa na edição é a impressão que apresenta algumas falhas.

A Garota no Trem é o primeiro livro publicado da escritora e também jornalista, Paula Hawkins. É ótimo thriller psicológico e mostra a natureza humana na sua forma mais primitiva. Sendo assim, a indicação desse livro é para todos aqueles que gostam de um bom drama com uma mistura de suspense. E vale lembrar que no ano passado o livro ganhou uma adaptação nos cinemas, e a crítica dele você pode ler aqui.

Avaliação

(Ótimo)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Comentários

Estudante de jornalismo, viciado em séries e amante de bons livros, principalmente os romances policiais, espionagem e ficção científica.

Você também pode gostar