Joaquin Phoenix

O jornalista Steve Weintraub, do Collider, teve oportunidade de ter uma longa conversa, a beira de uma piscina num hotel de Los Angeles, com Joaquin Phoenix, que viveu recentemente Jesus de Nazaré no filme Maria Madalena.

Na conversa, em que o jornalista tratou de diversos assuntos do mundo cinematográfico com o ator, Joaquin Phoenix comentou sobre os rumores que o apontavam como provável interprete do Coringa, em um vindouro filme solo de origem do icônico vilão dos quadrinhos da DC Comics.

Phoenix não confirmou que irá interpretar o personagem, mas disse que havia se encontrado com Todd Phillips (Cães de Guerra), que será o diretor do filme. Na conversa, Weintraub ainda perguntou ao ator se o trabalho que Christopher Nolan e Heath Ledger executaram em Batman – O Cavaleiro das Trevas (2008) – que rendeu um Oscar, póstumo, para Heath Ledger – o intimidava. E Phoenix respondeu:

“Eu acho que o gênero, dos quadrinhos, serve para pessoas diferentes interpretarem o mesmo personagem e interpretá-lo de uma maneira diferente. É meio que embutido no material de origem de algumas maneiras. Eu acho legal quando as pessoas fazem isso.”

Na resposta, ainda, Phoenix explicou que é interessante trabalhar com esse tipo de personagem, afinal vários escritores e artistas trabalham com o Coringa, dando visões diferentes de uma mesma face. Apesar disso, o ator não confirmou se irá ou não interpretar o Coringa no filme, aliás, foi bastante evasivo quando questionado sobre o longa.

O filme, ainda sem título oficial, vai contar a história de um humorista fracassado na década de 1980 que entra no mundo do crime após ser bombardeado pelo público. O longa deve ser produzido por Martin Scorsese, com Todd Phillips na direção, e assinando o roteiro ao lado de Scott Silver.

Saiba mais detalhes sobre o projeto do filme que contará a origem do Coringa.

COMPARTILHAR
Criador da Matinê, está no 4º semestre do curso de jornalismo no Centro Universitário Ritter dos Reis - UniRitter. Aqui escrevo sobre filmes e séries a partir da minha perspectiva de mundo, sem medo de mostrar a todos o meu entendimento pessoal daquilo que assisto. O debate de pontos de vistas diferentes é livre, e sempre bem-vindo.