Review | The Walking Dead – 8×03 – Monsters

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
Andrew Lincoln como Rick em The Walking Dead
Reprodução/Banco de Séries

The Walking Dead pode fazer para mau para si mesmo. Três episódios deram início a Guerra Total contra os Salvadores, todos eles são eficientes em fazer com que a trama caminhe para frente, mas só um mostrou os problemas que começam a aparecer neste início de temporada. “Monsters” dá sequência aos acontecimentos de The Damned, mas mostra, principalmente, a fragilidade do roteiro destes episódios iniciais do oitavo ano da série.

The Walking Dead carece, e muito, de consequências mais graves para este início de guerra. Eric (Jordan Woods-Robinson), talvez, seja o que aconteceu de mais preocupante até o momento. No entanto, matar um personagem que pouco apareceu e nunca havia sido importante para a série não pode ser chamado, diretamente, de consequência. Na verdade, é bastante óbvio que personagens como ele não cumprem nenhum papel na história morreriam uma hora ou outra, mas é lamentável que o adeus deles seja guardado para momentos importantes como este – o que faz os acontecimentos perderem o peso que poderiam trazer para o espectador.

Fora isso, é difícil de acreditar que um tiroteio entre os Salvadores e os de Rick (Andrew Lincoln) não fosse atrair um grande número de walkers. Os zumbis, aliás, passaram perto dali, mas não chegaram a ir de fato no local – somente alguns deram as caras durante o confronto. Fragilidades como essas, mesmo em episódios movimentados, fazem faltar algo que empolgue o espectador, que deixe-o animado para o que vem na próxima semana. Falta em The Walking Dead a vontade de desenvolver a sua história de um jeito diferente, são oito temporadas, e em algum momento a série precisa reinventar a sua própria fórmula – caso contrário, a audiência continuará despencando toda semana.

Andrew Lincoln como Rick em The Walking Dead
Reprodução/Banco de Séries

Monsters” trouxe de volta o vício de The Walking Dead em dar importância a momentos que nem precisavam estar ali. O retorno de Morales (Juan Gabriel Pareja), por exemplo, no final do episódio anterior, revigorou a trama da série com questionamentos pertinentes e que precisavam de respostas nesta semana. Porém, após rápidas explicações óbvias, o personagem morreu sem importância ou relevância. Isso faz o roteiro da série ser totalmente questionável, por trazer de volta um personagem que não contribuiu com absolutamente nada dentro da trama. São momentos assim que precisam parar em The Walking Dead.

Como se o roteiro fraco não bastasse, “Monsters” trouxe mais uma questão pertinente que compromete a qualidade da série, a montagem dos episódios. Um dos momentos mais aguardados da temporada era a luta entre Jesus (Tom Payne) e Morgan (Lennie James), algo que nos quadrinhos foi bastante empolgante. Enquanto isso, na série nem precisava ter acontecido. A luta poderia ter sido uma cena só, contínua, com um momento exclusivo para ela no episódio, porém, isso aconteceu em paralelo com outras cenas. Com isso, a montagem tirou o impacto que esse confronto poderia ter, principalmente por causa da instabilidade psicológica e emocional que Morgan apresentou, algo interessante e muito mal desenvolvido.

Os mesmos problemas do roteiro se aplicam também a necessidade nula de tanto diálogo jogado fora quando Gregory (Xander Berkeley) retornou para Hilltop, e minutos depois quando Jesus chegou com os Salvadores rendidos e o mesmo quis argumentar – principalmente porque Gregory nunca teve uma voz ativa na série. O problema ainda vai perdurar por mais um episódio, talvez não no próximo, mas no fim das contas, nada foi resolvido em relação aos rendidos. Em contra partida, o Reino pode ser uma esperança no próximo episódio, já que Carol (Melissa McBride) deve assumir as rédeas de momentos importantes do próximo domingo – enquanto Ezekiel (Khary Payton) continua mais canastrão do que deveria ser.

Monsters” mostrou os pecados de The Walking Dead e da sua estrutura narrativa que continua falhando. Mesmo com um ritmo quase envolvente o episódio desperdiçou tudo aquilo que tinha em mãos, e as críticas negativas voltam a assombrar a série – que sofre semanalmente com a perda de audiência. Com um roteiro frágil e começando a ser também problemático, somado a montagem atrapalhada (que tira o impacto da história, deixando-a menos emocionante), The Walking Dead precisa encontrar uma maneira de renovar o seu próprio fôlego. O desgaste dos oito anos dentro da programação da AMC ficam mais evidentes do que um dia já foram, e talvez seja a hora de olhar um pouco a grama do vizinho (Fear The Walking Dead), que está mais verde do que nunca.

Avaliação

(Regular)

Compartilhe:Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone
, , , , , , , , ,

Comentários

Editor-chefe e criador da Matinê Cine&TV. Fã de Harry Potter, O Senhor dos Anéis, Planeta dos Macacos, Star Trek, Star Wars, Marvel, DC Comics. Na TV The Walking Dead, Shameless, Jessica Jones, The Handmaid’s Tale, entre outras, são algumas das suas favoritas.

Você Também Pode Curtir